Saiba aqui qual a diferença entre Espumante, Champagne, Prosecco e Lambrusco

Champagne, Espumante, Prosecco, Lambrusco, Frisante, entre tantos outros. A quantidade de opções em termos de bebidas pode tornar o processo de escolha da melhor opção para uma comemoração especial, a exemplo das festas de fim de ano, um tanto mais complicada. Para quem é iniciante nesse mundo, essa tarefa se torna ainda mais difícil.

Bom, o fato é que existem diferenças significativas — e outras nem tanto — entre eles. Conhecer algumas dessas particularidades pode ser uma das melhores maneiras para uma escolha mais acertada. Pronto? Vamos, lá!

Champagne: essa bebida é um tipo de vinho que pode ser branco ou rosé. A curiosidade sobre ele é que seu nome vem de uma região francesa de mesmo nome. Via de regra, a sua composição precisa ser desenvolvida a base de um tipo específico de uvas: pinot meunier, pinot noir e chardonnay.

O nome “champagne” somente pode ser dado ao tipo de bebida fermentada de uva que é produzida naquela região nordeste da França que citamos.

Lambrusco: Aqui temos um vinho do tipo frisante que, em sua composição, conta especialmente com a uva lambrusco. É tido como um vinho doce e jovem. Ele é originário de uma região italiana chamada de Emilia Romagna. Isso nos leva ao nosso próximo tópico.

Frisante: É aquele vinho submetido a uma única fermentação— ao contrário dos espumantes que passam por duas. Como consequência desse processo de produção, ele conta com muito pouco gás carbônico.

Em termos comparativos, ele tem cerca da metade do gás-carbônico que encontramos nos espumantes tradicionais.

Os frisantes mais populares são originários da Itália, da região que citamos acima. Por isso, são também conhecidos como Lambruscos.

Aqui, cabe uma observação interessante: a Cidra, que é uma bebida muito popular entre os brasileiros, é uma espécie de bebida que tem o gás carbônico inserido de forma artificial. Sendo assim, ela não pode ser categorizada como espumante ou frisante.

Ah, sim! A cidra é uma bebida que tem no seu processo de preparação o sumo fermentado da pêra e da maçã. Mundialmente, os maiores produtores dessa bebida são a França, Irlanda e Inglaterra.

Espumantes

Quase que todos os países produtores de vinhos, também produzem os espumantes. A maior referência aqui é a França, que desenvolveu os métodos para sua fabricação.

O espumante em si é um tipo de vinho com gás carbônico oriundo de sua segunda fermentação. Isso significa dizer que não há a adição artificial do gás carbônico. Vale lembrar que os espumantes utilizam em seu processo de fabricação sempre uvas destinadas para vinhos finos.

De acordo com o país de origem, os espumantes podem ter nomes diversos tais como prosecco, asti, cavos e sekt.

Como servir Champagne, espumantes e frisantes?

Sabe aquela coisa do estouro da rolha? Pois é, além de ser algo folclórico, não é muito legal abrir bebidas desse jeito. Primeiro provavelmente vai jorrar em quem não deveria e, segundo, o desperdício, algo que não queremos especialmente em se tratando de uma garrafa de preço mais elevado.

Ou seja, para abrir sua bebida, apenas torça a rolha e empurre-a para cima. Além disso, é preciso destacar que quanto mais a bebida jorrar, mais carbônico ela perderá. E isso é algo que afeta negativamente a boa apreciação.

Cubra a rolha com um guardanapo ou um pano limpo na hora de abrir a garrafa. É uma ótima ideia para evitar que esse objeto atinja alguém.

Outro ponto importante que deve ser considerado é o tipo de taça a ser usada por cada bebida e a quantidade ideal a ser servida. Muitas pessoas acreditam que esse é apenas um ponto estético, mas não é: as taças ajudam a bebida a respirar e a elevar seu sabor. Vale a pena ficar atento a esse ponto.

Para finalizar, fica uma última observação: no mercado de espumantes brasileiros tem o direito de usar alguns nomes específicos, como Prosecco, pelo fato de já produzirem a bebida há um bom tempo. Mas são raros os casos.

Por Denisson Soares


Confira aqui algumas dicas de pratos para fazer na Ceia de Ano Novo.

Depois da celebração natalina, que é um momento de serenidade, de oração para as pessoas religiosas, um momento de intensificar a ajuda ao próximo e de comunhão, chega a festividade mais agitada, mais expansiva no sentido de divertimento, que é o Ano Novo. Se a ceia de Natal leva em conta, geralmente, receitas mais tradicionais, para o ano novo as variações nesse sentido são bem maiores.

Deste modo, a ceia de ano novo tende a ser mais simples, como uma festa de fim de semana ou de aniversário. A reunião de parentes e amigos, nesta data, é uma confraternização em que todos estão mais à vontade e assim, está aberta toda contribuição para a ceia.

Entretanto, por alegre que seja, a passagem de ano não é uma bagunça. É uma celebração de renovação que também tem suas características tradicionais.

Este é o evento que fecha um ano e inicia o outro, portanto, a passagem é um ritual. O Natal é religioso e o Ano Novo é temporal. O réveillon, portanto, necessita ser muito bem organizado, de modo a ser divertido e saudável, sem abusos. O centro destas festividades é o momento da ceia, onde todos se reúnem e se ajudam, servem uns aos outros e compartilham refeições e bebidas.

Este artigo pretende oferecer algumas dicas de como se preparar uma boa ceia de ano novo, de modo simples e eficiente.

Existe uma infinidade de pratos que se enquadram perfeitamente nesta celebração, porém, seria impossível listar todos aqui. Para ser mais essencial e eficiente, listaremos dez tipos certos de refeições para o seu fim de ano.

Na atualidade, dada a nova onda de vida saudável, que constitui um hábito positivo capaz de atingir grupos cada vez maiores de pessoas em todo o mundo, o peixe, tão consumido em todas as regiões do planeta, tornou-se um dos pratos mais requisitados este ano.

Um delicioso exemplo é o salmão, que pode ser a melhor dica, nesse sentido, um prato e tanto para a realização de uma boa ceia, na virada do ano. No caso de ser esta a opção que o leitor deseja preparar, segue uma dica muito importante: não se esqueça de regar bastante os filés do peixe com muito azeite, além de assar algumas batatas como forma de acompanhamento.

Esta iguaria é muito apropriada para as festividades de fim de ano, dado que o Natal, por ser uma data cristã, no ocidente, está muito ligado ao peixe. Portanto, além de saudável, o peixe é um bom complemento no réveillon.

Assim, seguem mais dez dicas de boas receitas, muito adequadas para a ceia da virada do ano:

1 – O tradicional Mousse de chocolate;

2 – Um bom Pernil de ano novo;

3 – O famoso e delicioso Cookie recheado com muito creme de avelã;

4 – Outra alternativa de frutos do mar: o Bacalhau;

5 – O tradicional Lombo suíno;

6 – Uma receita mais picante pode ser o Cuscuz;

7 – A tão popular Maionese de frango;

8 – Outra excelente sobremesa pode ser o Quindim;

9 – O excelente Filé mignon ao molho madeira;

10 – Outra dica de frutos do mar: um Peixe assado.

É evidente que todos são livres para preparar muitas outras variedades, de acordo com cada tipo de família, com hábitos alimentares variados. O Ano Novo é momento de intensa confraternização e união, até na hora da refeição. Todos os bons pratos são bem vindos, porém, dado que o ritual do réveillon consiste em promover muita fartura e prosperidade para todos, os pratos mais consistentes, e de grande porte, devem compor a mesa.

Vale a pena conferir.

Paulo Henrique dos Santos





CONTINUE NAVEGANDO: